Pesquisar neste blog

Carregando...

quinta-feira, 31 de março de 2011

Agricultor retalha mulher com facão e se suicida


Depois de retalhar a mulher, “Negão” tomou veneno e morreu

marido assassino se suicidou

A barbaridade com que o agricultor Antônio da Silva, mais conhecido por “Negão”, usou para colocar ponto final na vida de sua companheira de cama e mesa, Maria da Conceição, serve para mostrar o quanto a violência tomou conta da região Oeste do Pará. A doméstica, depois de agredida, com vários golpes de facão, foi levada para a UTI do Hospital Municipal. ”Negão”, depois que tentou matar a mulher, teria tomado veneno dando fim a uma vida que do
mundo só conheceu miséria e sofrimento. O trágico acontecimento aconteceu no município de Brasil Novo, próximo a Altamira.

Fatos - Segundo testemunhas, Antônio “Negão” e Maria da Conceição, desde que se conheceram e resolveram morar juntos, vez por outra estavam discutindo. O motivo era o mesmo; o ciúme de “Negão”, seu companheiro. Mesmo sem dar motivos, Maria quase sempre era ameaçada de morte pelo companheiro: “Se eu encontrar tu com outro homem, eu te mato”, dizia ele constantemente.
Mulher retalhada pelo marido
Para desespero de Maria, que aceitou conselhos de amigos e vizinhos, ela resolveu por fim a esse sofrimento. Antônio resolveu que Maria seria sua para sempre, e no último domingo, cheio do mé, com os bolsos vazios e com os olhos cheios de brutalidade, para desespero de Maria, ele chegou na casa onde ela morava com parentes, armado com terçado e sem pedir licença, atacou sua ex com vários golpes. Vizinhos escutavam Maria pedir por socorro, enquanto ela, quase retalhada, lutava contra morte em uma poça de sangue. Ao ver os vizinhos chegando, Antônio “Negão” fugiu, enquanto Maria era levada para a UTI do Hospital Municipal, onde recebeu socorro imediato.

Segundo a imprensa local, Antônio, imaginando que havia assassinado sua ex-companheira, tomou veneno, morreu e seu corpo foi encontrado em um capinzal, na beira de um rio, distante do local do crime.


O Impacto

Nenhum comentário:

Postar um comentário